karina tubarões mergulho

Com a intenção de chamar a atenção sobre a extinção dos tubarões, que têm um papel importantíssimo no equilíbrio dos mares, a mergulhadora Karina Oliani convidou o fotógrafo e amigo Alexandre Socci para uma sessão de fotos subaquática em um santuário de tubarões, as Bahamas.

Depois de entrar em contato com o estilista paulista Arthur Caliman, a mergulhadora escolheu alguns vestidos longos, que se sobressaíssem no fundo do mar. E, para posar para fotos mergulhando lastreada, sem ar, sem máscara e rodeada por dezenas de tubarões, Karina precisou contar com o apoio de uma equipe muito que garantisse o sucesso da sessão de fotos inusitada.

“Tive a honra de ter dois ídolos, Stuart Cove e Liz Parkinson, como os meus mergulhadores de segurança durante a sessão de fotos, uma oportunidade única!”, conta Karina que, desde os 12 anos, mergulha e é apaixonada pelo mar e pela vida marinha.

Liz Parkinson carregou Karina já vestida e com 5 kgs de lastro na cintura, compartilhando seu ar com ela até a profundidade de 18 metros. Sem nadadeira, sem máscara, com as caudas dos vestidos impedindo seus movimentos e, às vezes, dentro de um naufrágio, ela passou um dia inteiro em pleno inverno, de olhos abertos por muitas horas na água salgada, prendendo a respiração de 1 a 2 minutos por vez para que o fotógrafo tivesse tempo de se posicionar e os tubarões estarem na posição correta em busca da “foto perfeita”.

Em uma situação indefesa e sem proteção, esse ensaio, intitulado pelo seu fotógrafo como Shark n’Dresses (tubarão e vestidos), provou que os tubarões não são assassinos de homens.

“Esses animais estão na superfície da Terra há mais de 400 milhões de anos enquanto nós estamos aqui há apenas 200 mil anos. Ao invés de me devorar, o maior predador do oceano estava ali comigo, interagindo pacificamente e quase posando para as fotos, como que se quisesse pedir socorro”, explica Karina. “Todos os anos, estima-se que 100 milhões de tubarões são mortos pela indústria pesqueira. Um número assustador e que excede a capacidade de qualquer população se recuperar”.

Karina Oliani mergulha com tubarões para alertar mundo sobre sua extinção